quarta-feira, 15 de abril de 2009

Rir por non chorar


Em dias coma hoje, nos que vemos coma "os amzons da livertade" exercen a sua democracia, non poido evitar lembrarme de cando era rapaz, eu no e que seja moi velho, nacin no 82, mais ainda asi todos os que sodes desta xerazon, e sodes galego-falantes sentiredes moi preto nas vossas lembranzas sobretodo nestes dias como era a situazon naqueles dias, o que era umha fortisima diglosia feita ate por jente do nosso propio pobo. Esta e a razon pola que en dias coma hoje, volvo a vista atras e torno rir e digo rir por non chorar... quen de vos non escoitou esa famosa frase de hay galleguinho, hablas galleguinho? y no vendras de la aldea verdad? ou que hai desa mitica nos comercios de hay mira si me hablas en gallego no te entiendo eh... enton pasas a meirande parte da tua infancia relegando a tua lingua nai o ambito familiar ou se cadra pra te comunicar coa jente maior por que claro, el gallego es para hablar a las vacas y a los viejos... e non o vas empregar na rua por que no mola... despois vas medrando, empezas a ter as tuas ideas e un dia, atopaste que um fato de jente di, hay no derecho a elegir, somos democraticos no nos impongais nada! e tenho que tornar a rir... por que penso; manda caralho! camado me preguntaron a min si preferia estudar em galego, cando tiven eu a oportunidade de decidir estudar na minha lingua?, e isto sem irnos os primeiros anos, inclusive non fai tanto tempo que tipo de cousas se estudavan em galego?
A verdade rir por non chorar acho que esta jente, perdeu a memoria ja que non se lembran de todo isto... e mais exixen igualdade umha iguladade que pregunto eu, con respeiot a que, xa que a lingua que eles denfenden e a mais protexida e os seus falantes os que tenhen mais dereitos, ademais contan coa maior parte dos xornais na sua lingua asi coma tamen as canles de television, poden tamen facer contratos e entrevistas de traballo na sua lingua cousa que nos temos negada, ainda asi, seguen a dicir que os seus dereitos son atacados e din no ser "libres" pra elixir.
Por todo isto vexo ao nosso pobo coma extranxeiro na sua propia terra, na que a sua lingua e atacada e posta em segundo plantel, na que non se entende que o ensino sexa nesta lingua, na que aos galegos se nos quer facer esquencer que somos um pobo diferenciado, que somos diferentes dos espanhois e pra facelo atacan o que como dixo castealo fanos seguir sendo galegos, o que nos fai diferentes, - se ainda somos galeg@s e por obra e gracia da lingua- mais ainda asi seguen a dicir que son eles os que non poden elixir... en fin como xa dixen rir por non chorar

2 comentários:

  1. Sempre Castelao! Bom artigo e agradece-se a tentativa de ir incorando a grafia historicista da nossa língua ainda sendo sabedor das dificuldades que isso entranha para umha proposta de galego extenso desterrada da escola.

    Nós Sós!

    ResponderEliminar
  2. gran articulo aprovecho para deciro que pronto volvere a abrir GALIZA creo que me veo con fuerzas y GALIZA TEE MOITO QUE VER

    ResponderEliminar