segunda-feira, 6 de julho de 2009

Co pais em chamas

Xa lle venho dando voltas dende hai alguns meses, mais o nosso pais esta a pasar por umha situazon da que non recordo igual em moitos anos. Temos a un tempo os catro recunchos do pais postos patas arriba, por un lado saen asociazons que din falar nome da democracia e da iguldade, que ponhen em riba da mesa propostas degaxicas coas que ganhan o favor de parte das ouvellas da opinion publica e do politicamente correcto, mais pra calque con dous ollos de frente e que non tenha apoiado nengunha dictadura pasado e moito claro as intencions reais desta xente pro-espanholista. Mais desta volta as azons tiveron resposta popular, profesores e alunnos anunciaron folgas e paron nas clases en contra da proposta deste colectivo, 40000 persoas contestaron em compostela a Gloria lago e dixeron que queren vivir em galego a resposta foi tan grande que a quintana chegouse a encher duas veces... Por outro lado, tamen se deron ameazas em forma de pintadas contra a presidenta do colectivo espanholista, estas tiveron lugar numha das paredes da sua casa.Por outro lado, e dende ha xa algums anos o sector do metal esta a sufrir moito no nosso pais, e ven de protagonizar numerosisimas folgas pra reclaren o minimo que se pode reclamar os dereitos como traballadores, desta volta coma no pasado deronse enfrontamentos cos mercenarios da policia que non dubidaron em empregarse a fondo pra evitar que os traballadores seguiran adiante, na prensa falarase de disturvios, perdas, e toda esa carallada, mais por algumha razon endexamais mencionan canto gastou o estado espanhol em manter a todos os mercenarios desprazados ate vigo nese 20 dias de folga, e non estou a falar so dos soldos se non tamen dos hoteis comidas e demais xa que a meirande parte destes mercenarios vinha de fora do nosso pais. A situazon desta volta realmete tensa, ate o punto que em so umha semana deronse o mesmo tempo a colocazon e tres artefactos explosivos, sabotaxem dun concesionario de coches e o ataque contra a casa dun empresario do metal.No agro, a cousa non pinta mellor, os nossos gandeiros seguen a mostrar o seu enfado por umha insuficiente e insutante remuneracion no precio do leite, que levou e levara a moitos a ruina. Os gandeiros, tamen levaron a cabo azons de todo tipo, dende regalar o leite nas prazas publicas asando por atacar supermercados e cisgar o leite polo chan ate parar os camions do leite e tirar o leite fora.O utro grupo que se mobilizou, foron os traballardores de caramelo que anunciaron folgas.Despois de todo isto, o que podo ver e o seguinte arestora temos em revolta e ate em pe de guerra o metal, o agro, o comercio e ate o ensino; en calquera destes campos deronse xa situaion tensas ate chegar a resposta violenta, e encalquera destes campos podese ver a eerna loita, a do obreiro contra o amo. Por primeira vez em moito tempo, os galegos comezamos a maosar os dentes e a dicir basta algo semella estar a mudar na nosa sociedade, sera o comezo dumha revolucion social?

1 comentário:

  1. E ainda mais imos ter de sacar os nossos dentes, greve geral já! Umha aperta irmandinha

    ResponderEliminar